Projeto VariaR – Variação em Línguas Românicas


Vanessa Meireles Ferré (Universidade Paul Valéry)

Marcia dos Santos Machado Vieira (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Sobre o Projeto

O projeto VariaR – Variação em Línguas Românicas –, iniciado em 2019, tem como objetivo principal contribuir para a descrição e análise de fenômenos variáveis nas línguas românicas no plano fonológico e sintático. Tem como ponto de partida o estudo da variação em língua portuguesa, para, em seguida, mirar/visar a uma comparação do português com outras línguas românicas. Coordenado pelas pesquisadoras Vanessa Meireles Ferré, da Universidade Paul Valéry, e Marcia dos Santos Machado Vieira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o projeto já reúne também estudantes com vínculo às duas instituições (cf. nominata dos membros do projeto no final do texto). E desenha-se de tal maneira que tem o potencial de contar com outros pesquisadores de ambas universidades e até de outras instituições universitárias que venham a interessar-se em colaborar para a frente de pesquisa comparativa nele proposta. Atualmente, encontra-se na sua primeira fase de desenvolvimento, que já resultou na organização do I Colóquio Internacional VariaR, previsto para 23 e 24 de março de 2021.

Tendo em vista a interlocução de pesquisadores que requer e a frutífera articulação de projetos/interações de investigação linguística que enseja, o colóquio foi planejado para ocorrer presencialmente na Universidade Paul Valéry – Montpellier 3. Com a situação de pandemia que vivemos em 2020 e possivelmente em 2021, teve de ser reconfigurado para um evento híbrido que contará com atividades na Universidade Paul Valéry transmitidas online via Cisco Webex, bem como atividades totalmente online.

Em linhas gerais, o projeto pauta-se em corpora de naturezas diversas que viabilizem investigações em diferentes eixos de trabalho para dar conta das necessidades e potencialidades das humanidades (digitais ou não): mapeamento e documentação, tradução, ensino, interpretação ou dublagem, comunicação ou interação/rotina (socio)discursiva em diversas áreas do saber, aplicativo(s) que promova(m) ludificação dos saberes sobre línguas românicas, entre outras. E desenvolve-se à luz de teorias sociolinguísticas e de suas interfaces, de variação, de mudança linguística e de contato multilinguístico. Com essas duas orientações esperamos contribuir para um melhor conhecimento de variedades do português e, por extensão, da área linguística lusófona de uma maneira mais geral dentro das línguas românicas, estabelecendo um terreno comum sobre as variações dialetais contemporâneas nestas línguas e propiciando um espaço de reunião de informações sobre generalizações e especificidades delas. Entre as contribuições que já se encontram no nosso horizonte, estão estas:

1. O espaço de interlocução online que o I Colóquio Internacional VariaR promoverá em março de 2021, no qual haverá oportunidade para que pesquisadores das duas universidades brasileira e francesa parceiras na gestão do projeto (como, por exemplo, Sophie Sarrazin, UPV, e Silvia Figueiredo Brandão, UFRJ) e pesquisadores de outros países possam expor e discutir resultados e metodologias de investigações sobre variedades do português (usado em três continentes), do francês e do espanhol.

2. O site do projeto VariaR [https://variar.wixsite.com/variar], que vem sendo desenvolvido por Morgana Kropf (graduanda da Faculdade de Letras da UFRJ) e Pedro Poppolino (graduando de Ciência da Computação da UFRJ) sob a supervisão das coordenadoras do projeto e com as informações e os textos por elas reunidos; com isso, o site, de acesso aberto e em duas línguas (português e francês), já se configura como resultado do trabalho desenvolvido até então, além de um espaço a propiciar informações sobre variação em línguas românicas.

3. A publicação de um caderno dos resumos das conferências previstas no I Colóquio Internacional Variar, bem como das investigações que serão expostas no formato pôster e cujos destaques serão objeto de debate e intercâmbio em sessão prevista no primeiro evento do projeto. Prevemos somar a essa publicação outras: por exemplo, publicação, em periódico brasileiro online de acesso livre, de textos originais resultantes das falas no colóquio que venham a ser aprovados no seu processo de avaliação duplo-cego.

4. A formação de recursos humanos, via: a) envolvimento nas muitas atividades/etapas do projeto e participação de estudantes em diferentes cursos da universidade (graduação, pós-graduação), bem como de mestres, doutores, professores colaboradores; b) participação das duas investigadoras gestoras do projeto em cursos de Pós-Graduação ou cursos de extensão nas duas universidades em que a questão da variação em línguas românicas seja a temática; c) colaboração em trabalhos de tradução de textos para o site ou de manutenção do site, da atualização de suas informações, envolvendo alunos das duas instituições.

5. A potencialidade de construção de uma rede interinstitucional de pesquisadores que propicie: a) intercâmbio científico norteado por iniciativas de investigação que levem a um mapeamento das línguas românicas pautado em diretrizes teórico-metodológicas relativamente comuns e, por conseguinte, passíveis de permitir comparação e mensuração do grau de diassistematicidade das línguas; b) materiais, além dos do site, que a um só tempo promovam divulgação acadêmico-científica e favoreçam o trabalho com línguas românicas em instituições universitárias e escolares dos diferentes países em que elas são usadas, quer como língua materna, quer como língua não-materna. O desenho do projeto VariaR – Variação em Línguas Românicas – conta, por natureza, com a condição de se (re)estruturar em função do que resultar das vozes e escritas que venham a se reunir em prol do trabalho coletivo nele proposto ou a partir dele potencializado, bem como da logística que se fizer necessária para esse empreendimento. E, dadas as frentes que estão no nosso horizonte (a curto, médio e longo prazo), norteia-se por um perfil que valoriza uma visão estratégica de comunidade(s) linguística(s) e práticas discursivas, que se delineiam em espaços diversificados e segundo conhecimentos e contatos multilíngues e/ou poli/dialetais.

É, portanto, um rico espaço para o exercício de interlocução e articulação em prol de conhecimento multidimensional e multifatorial na área das humanidades em Letras e Linguística.

Relação de membros do Projeto VariaR

Coordenadoras:

Vanessa Meireles Ferré (Université Paul Valéry – Montpellier 3)

Marcia dos Santos Machado Vieira (Universidade Federal do Rio de Janeiro – Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas)

Colaboradores - estudantes:

1. Alexandre Ferreira Martins (Doutorando em Linguística – Didática de Línguas – LHUMAIN, Universidade Paul Valéry)

2. Fernanda Pismel (Estudante do Mestrado LLCER especialização em português – Universidade Paul Valéry)

3. Mabiane Batista França (Estudante do Mestrado LLCER especialização em português – Universidade Paul Valéry).

4. Mariana Meireles (Estudante do Mestrado em Didática de Línguas, Universidade Sorbonne Nouvelle)

5. Pâmela Fagundes Travassos (Estudante em Doutorado – Especialidade Língua Portuguesa - Universidade Federal do Rio de Janeiro – Programa de Pós-Graudação em Letras Vernáculas)

6. Morgana Kropf (Estudante em Graduação – Especialidade Português-Literaturas, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro)

7. Pedro Poppolino (Estudante em Graduação, Ciência da Computação, Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Referências bibliográficas:

AYRES-BENNETT, Wendy; CARRUTHERS, Janice (ed.). Manual of Romance Sociolinguistics. Berlin: De Gruyter, 2018, xi + 793 pp.

BRANDÃO, Silvia F. (org.). Duas variedades africanas do Português: variáveis fonético-fonológicas e morfossintáticas. São Paulo: Blucher Open Access, 2018.

BRANDÃO, Silvia F. Variação e mudança no âmbito do vocalismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 11-38.

BOAS, Hans C; HÖDER, Steffen. (ed.). Constructions in Contact. Amesterdam: John Benjamins, 2018.

GOMES, Alessandra de Paula; GOMES, Danielle Kely; SILVEIRA, Eliete Figueira Batista da; MACHADO VIEIRA, Marcia dos Santos; VIEIRA, Silvia Rodrigues (eds.). Uma História de Investigações sobre a Língua Portuguesa: Homenagem a Silvia Brandão. São Paulo: Blucher Open Access. 2018.

HOLM, J. Languages in Contact – the Partial Restructuring of Vernaculars. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

LABOV, William. Principles of Language Change I: Social factors. Oxford, Blackwell, 2001.

LABOV, William. Sociolinguistic Patterns. Philadelphia. University of Pennsylvania Press, 1972.

LUCCHESI, Dante. A deriva secular na formação do português brasileiro: uma visão crítica, em Tânia Lobo, Zenaide Carneiro, Juliana Soledade, Ariadne Almeida e Silvana Ribeiro (org.). ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias, Salvador, EDUFBA, 2012, 249-274.

MACHADO VIEIRA, Marcia dos Santos; Wiedemer, Marcos Luiz (ed.). Dimensões e Experiências em Sociolinguística. São Paulo: Blucher Open Access, 2019.

MEIRELES, Vanessa. “Élision et diphtongaison à la frontière de mot en portugais”. Rainer, Franz / Russo, Michela: Sanchez Miret, Fernando (éd.). Actes du XXVIIe Congrès international de linguistique et de philologie romanes – CILPR. Section 3: Phonétique, Phonologie, Morphophonologie et Morphologie. Nancy: ATILF, 2016, 115-127.

MEIRELES, Vanessa. “Sândi vocálico externo em português com base na Teoria do Governo”. Revista da Abralin, v. 10, n. 2, jul./dez., 2011, 173-194.

MEIRELES, Vanessa. Analyse phonologique et métrique des glides et diphtongues en portugais brésilien. Thèse de Doctorat en Sciences du langage, Université de Paris 8, 2014.

MOTA Maria Antónia, Bacelar do Nascimento Maria Fernanda. Le portugais dans ses variétés. In: Revue belge de philologie et d'histoire, tome 79, fasc. 3, 2001. Langues et littératures modernes - Moderne taal- en letterkunde. pp. 931-952.

PETTER, Margarida M. Variedades linguísticas em contato: português angolano, português brasileiro, português moçambicano. Tese de Livre docência, Universidade de São Paulo, 2008.

WEINREICH, Uriel; LABOV, William; HERZOG, Marvin. Empirical foundations for a theory of language change, Austin: University of Texas Press, 1968.

Coordenação

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Eugenia Lammoglia

Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Eliete Figueira Batista da Silveira 

Secretário: Renato Martins e Silva
posvernaculas@letras.ufrj.br

Atendimento

Além de atender por e-mail, a Secretaria do PPGLEV oferece atendimento telefônico e presencial de segunda a quinta-feira, das 13h às 17h, na sala F-319.

Endereço

Programa de Pós-Graduação em Letras  (Letras Vernáculas)
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F-319
Cidade Universitária — CEP 21941-917
Rio de Janeiro — RJ