Discente: Daniela Gonçalves Ribeiro da Silva

Título da dissertação: A patemização em crônicas jornalísticas de Luis Fernando Veríssimo

Orientador(a): Lúcia Helena Martins Gouvêa

Ano da defesa: 2019

Páginas: 122

Resumo:

Este trabalho pretende analisar as estratégias de patemização presentes em crônicas de Luis Fernando Verissimo. Esta pesquisa embasa-se em estudos de Análise do Discurso, utilizando majoritariamente as contribuições da Teoria Semiolinguística do Discurso, de Patrick Charaudeau, e suas considerações sobre pathos. A Teoria de Ducrot (1987), a Teoria da Argumentação da Língua (1ª e 2ª fases), também será levada em consideração, já que os conceitos de orientação argumentativa e de operadores argumentativos serão abordados. Ademais, os estudos de Christian Plantin sobre emoção igualmente serão utilizados como base teórica neste trabalho. Como se parte da hipótese de que as emoções têm potencial de convencimento, a análise desta pesquisa visa a identificar as estratégias linguístico-discursivas utilizadas pelo cronista para provocar emoções no auditório ao longo do texto. O corpus desta investigação é composto por 20 crônicas escritas por Luis Fernando Verissimo nos anos 2018 e 2019 publicadas no jornal O Globo. Buscase comprovar a hipótese de que o cronista, para sistematizar a argumentação, utiliza variadas estratégias de patemização para desencadear emoções no público leitor. Ademais, pretende-se confirmar que a crônica jornalística é um gênero suscetível a despertar emoções; que o uso do modo enunciativo de organização do discurso ocorre principalmente por meio do comportamento discursivo delocutivo, e que o autor utiliza com mais frequência a estratégia expressões modalizadoras para convencer os leitores por meio da emoção.

Abstract

Este trabalho pretende analisar as estratégias de patemização presentes em crônicas de Luis Fernando Verissimo. Esta pesquisa embasa-se em estudos de Análise do Discurso, utilizando majoritariamente as contribuições da Teoria Semiolinguística do Discurso, de Patrick Charaudeau, e suas considerações sobre pathos. A Teoria de Ducrot (1987), a Teoria da Argumentação da Língua (1ª e 2ª fases), também será levada em consideração, já que os conceitos de orientação argumentativa e de operadores argumentativos serão abordados. Ademais, os estudos de Christian Plantin sobre emoção igualmente serão utilizados como base teórica neste trabalho. Como se parte da hipótese de que as emoções têm potencial de convencimento, a análise desta pesquisa visa a identificar as estratégias linguístico-discursivas utilizadas pelo cronista para provocar emoções no auditório ao longo do texto. O corpus desta investigação é composto por 20 crônicas escritas por Luis Fernando Verissimo nos anos 2018 e 2019 publicadas no jornal O Globo. Buscase comprovar a hipótese de que o cronista, para sistematizar a argumentação, utiliza variadas estratégias de patemização para desencadear emoções no público leitor. Ademais, pretende-se confirmar que a crônica jornalística é um gênero suscetível a despertar emoções; que o uso do modo enunciativo de organização do discurso ocorre principalmente por meio do comportamento discursivo delocutivo, e que o autor utiliza com mais frequência a estratégia expressões modalizadoras para convencer os leitores por meio da emoção.

Coordenação

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Eugenia Lammoglia

Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Eliete Figueira Batista da Silveira 

Secretário: Renato Martins e Silva
posvernaculas@letras.ufrj.br

Atendimento

Além de atender por e-mail, a Secretaria do PPGLEV oferece atendimento telefônico e presencial de segunda a quinta-feira, das 13h às 17h, na sala F-319.

Endereço

Programa de Pós-Graduação em Letras  (Letras Vernáculas)
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F-319
Cidade Universitária — CEP 21941-917
Rio de Janeiro — RJ