Discente: Ana Lidia da Silva Afonso

Título da tese: “Des-caminhos” da utopia na poética de Nok Nogueira

Orientador(a): Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco

Ano da defesa: 2020

Páginas: 185

Resumo:

Desde fins do século XIX a poesia angolana já apresentava discursos em que o sujeito poético sonhava a terra utopicamente, ainda que de maneira romântica. Na segunda metade do século XX, Angola vivia em um contexto de opressão e de contrastes sociais, resultantes do regime salazarista. Esse cenário tornou-se terreno fértil para o surgimento de ideais voltados para o socialismo utópico, que se refletia em muitos poemas da época. Durante o período das lutas de libertação e até a primeira década após a independência de Angola, ocorrida em 11 de novembro de 1975, é possível notar uma inclinação para os discursos utópicos. Com a guerra civil entre a UNITA e o MPLA, entre 1985 e 2002, um clima de melancolia e descontentamento passou a dominar o contexto angolano, envolvendo-o em distopia.

Herdeiro literário das gerações anteriores, sobretudo do grupo de escritores que despontou a partir de 1985, porque sua primeira publicação ocorreu em 2004, dois anos após o fim da guerra civil em Angola, o poeta Nok Nogueira apresenta um projeto literário que tenta romper silêncios, penetrar nas consciências e indicar caminhos possíveis que libertem os homens do encarceramento e indiferença provocados pelo atual contexto angolano distópico.

Esta tese investigará o papel e os sentidos da imaginação utópica na obra poética de Nok Nogueira, tendo como principais objetivos: pensar como são feitas pelo autor as revisitações da memória, ou seja, como ocorre o processo de releitura dos referenciais do passado na poesia nokiana; analisar como o recorrente recurso à intertextualidade contribui para repensar, criticamente, o imaginário utópico dos anos 1960 em Angola e para discutir os cenários distópicos do presente angolano, abrindo, entretanto, nesgas de esperança para imaginar um futuro ainda possível.

Palavras-chave: Nok Nogueira, utopia, tempo, memória, poesia angolana.

Abstract:

By the end of the 19th century, Angolan poetry already presented discourses where the poetic subject dreamed of the land in a utopian, albeit romantic, way. In the second half of the 20th century, Angola was immersed in a context of oppression and social contrast as a result of the Salazar regime. This scenario became fertile ground for the emergence of ideals of utopian socialism and this was reflected in many poems of the time. In the period from the liberation struggles until the first decade after the independence of Angola in 11 November 1975, a trend towards utopian discourses can be noticed. With the civil war between UNITA and the MPLA from 1985 to 2002, Angola was dominated by a climate of melancholy and discontent that involved it in a dystopia.

The poet Nok Nogueira inherited the literary legacy of previous generations, especially the group of writers who emerged since 1985, for he was first published in 2004, two years after the end of the Angolan civil war. Therefore, he presents a literary project that seeks to break silences, penetrate consciousnesses and indicate possible paths to free people from the incarceration and indifference brought about by the dystopian context of present-day Angola.

This thesis will investigate the role and meanings of utopian imagination in the poetry of Nok Nogueira, seeking in particular: to think how the author revisits memory, i.e. how the process of reinterpreting references of the past occurs in his poetry; to analyze how the recurrent use of intertextuality contributes to critically rethinking the utopian ideals of the 1960’s in Angola; and to discuss the dystopian scenarios of present-day Angola, opening up, however, slivers of hope to imagine a future that is still possible.

Keywords: Nok Nogueira, utopia, time, memory, Angolan poetry.

Coordenação

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Eugenia Lammoglia

Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Eliete Figueira Batista da Silveira 

Secretário: Renato Martins e Silva
posvernaculas@letras.ufrj.br

Atendimento

Além de atender por e-mail, a Secretaria do PPGLEV oferece atendimento telefônico e presencial de segunda a quinta-feira, das 13h às 17h, na sala F-319.

Endereço

Programa de Pós-Graduação em Letras  (Letras Vernáculas)
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F-319
Cidade Universitária — CEP 21941-917
Rio de Janeiro — RJ