Discente: Licia Rebelo de Oliveira Matos

Título da tese: Vinte e Cinco de Abril no rastro do tempo

Orientador(a): Ângela Beatriz de Carvalho Faria

Ano da defesa: 2020

Páginas: 152

Resumo:

A Revolução dos Cravos (Portugal, 25 de abril de 1974) é um tema caro aos ficcionistas portugueses, que frequentemente revisitam a história, os mitos e a ruína que a envolvem. Por se tratar de um acontecimento recente, é notável que existe ainda uma memória forte sobre o levantamento militar que instaurou a democracia no país após 48 anos de ditadura. No romance Os memoráveis (2014), Lídia Jorge resgata essa memória e o testemunho dos participantes da revolução tantas vezes relegados ao esquecimento pela narrativa histórica oficial. Em entrevistas fictícias, feitas trinta anos após o levante, personagens inspirados em revolucionários verídicos transparecem a ruína da revolução que não conseguiram levar até o fim. Já Maria de Medeiros, no filme Capitães de abril (2000), recupera o próprio 25 de Abril, numa narrativa mais comprometida com a memória e a ficção do que com uma pretensa veracidade dos fatos apresentados na tela. Cada uma das obras, a seu modo, aborda a paixão revolucionária pelo momento único de libertação do país e os problemas que se seguiram a ela, revelando uma revolução corrompida e uma libertação incompleta. Em ambas, ficam claros o comprometimento da literatura com a análise histórica e a importância da ficção como força de resistência da memória contra o esquecimento. Nesta tese, falaremos sobre o romance e o filme a partir de temas como tempo, história e revoluções, lidos em Arendt (2011), Benjamin (2012) e Duby (1989); abordaremos testemunho e memória com base em Seligmann-Silva (2003, 2006), Gagnebin (2009) e Halbwachs (2003); sobre a importância histórica dos documentos, leremos Le Goff (1996). Abordaremos a Revolução dos Cravos, o salazarismo e a identidade lusitana especialmente a partir de Rosas (2013, 2016, 2018), Secco (2004) e Lourenço (1988, 2016). Didi-Huberman (2010, 2019) será uma referência recorrente sobre imagem e alegoria. Ainda, para tratar de teoria sobre narrativa literária e fílmica, traremos Reis e Lopes (2011), bem como Vernet (2012). Por fim, sobre as obras estudadas, serão trazidas entrevistas a Jorge (2014) e Medeiros (2000, 2013), além de trabalhos acadêmicos de Amorim (2017) e Silva (2017, 2018).

Palavras-chave: Revolução dos Cravos; Lídia Jorge; Maria de Medeiros; memória; testemunho; documento.

Abstract:

The Carnation Revolution (Portugal, April 25, 1974) is a recurring subject in Portuguese fiction, in which authors often revisit the history, myths and desolation surrounding it. This military coup that reinstated democracy in Portugal after 48 years of dictatorship is part of the country’s recent history and, thus, still vividly remembered. In the novel The Outstanding (Os memoráveis, 2014), Lídia Jorge revisits the memories and testimonies of participants that are often forgotten by history’s official narrative. In fictional interviews held 30 years after the coup, characters inspired by real-life revolutionaries tell the tales of desolation behind the revolution that they couldn’t bring to fruition. In a similar way, in her movie April Captains (Capitães de Abril, 2000), Maria de Medeiros uses a more memory-based narrative to paint a picture of April 25 that is more fictional than documental. In their own ways, both works talk about the revolutionary passion behind this singular moment of liberty and the problems that followed it, revealing a failed revolution and incomplete freedom. Both also highlight literature's crucial role in historical analysis and the importance of fiction as a force against oblivion. This thesis discusses themes such as time, history and revolution in the aforementioned novel and movie as per works by Arendt (2011), Benjamin (2012) and Duby (1989); concepts of testimony and memory are discussed based on Seligmann-Silva (2003, 2006), Gagnebin (2009) and Halbwachs (2003); the historical importance of documents is discussed based on Le Goff (1996). This work also examines the Carnation Revolution, the Salazar dictatorship and the concept of Portuguese identity based on Rosas (2013, 2016, 2018), Secco (2004) and Lourenço (1988, 2016). Didi-Huberman (2010, 2019) is often referenced in regards to image and allegory. Literary and cinematographic narratives are debated based on Reis e Lopes (2011) and Vernet (2012). Lastly, in regards to the works studied, interviews with Jorge (2014) and Medeiros (2000, 2013) are referenced, as well academic papers by Amorim (2017) and Silva (2017, 2018).

Keywords: Carnation Revolution; Lídia Jorge; Maria de Medeiros; memory; testimony; document.

Coordenação

Coordenadora: Profa. Dra. Maria Eugenia Lammoglia

Vice-Coordenadora: Profa. Dra. Eliete Figueira Batista da Silveira 

Secretário: Renato Martins e Silva
posvernaculas@letras.ufrj.br

Atendimento

Além de atender por e-mail, a Secretaria do PPGLEV oferece atendimento telefônico e presencial de segunda a quinta-feira, das 13h às 17h, na sala F-319.

Endereço

Programa de Pós-Graduação em Letras  (Letras Vernáculas)
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F-319
Cidade Universitária — CEP 21941-917
Rio de Janeiro — RJ