Discente: Fernanda de Aquino Araújo Monteiro

Título da dissertação: De Maria Monforte a Maria Eduarda: o feminino (re)visto na ficção de Eça de Queirós

Orientador(a): Monica Figueiredo

Ano da defesa: 2018

Páginas: 106

Resumo:

O presente trabalho pretende averiguar de que modo Maria Monforte e Maria Eduarda, de Os Maias (1888), foram mal compreendidas, fundamentalmente, por duas vias: tanto pela crítica queirosiana quanto pelas próprias personagens masculinas que as cercam. Propomos analisar o percurso de duas personagens femininas, por acreditarmos ser possível mostrar o quanto Maria Monforte e Maria Eduarda foram idealizadas, porque estereotipadas, pelo olhar de Pedro da Maia e de Carlos da Maia, presos que estavam culturalmente a uma forma de perceber o feminino que ia da visão da “madona” à da “femme fatale”.

Abstract:

The present work intends to find out how Maria Monforte and Maria Eduarda, from Os Maias (1888), were fundamentally misunderstood, in two ways: both by the Queirosian criticism and by the male characters that surround them. We propose to analyze the course of two female characters, because we believe it is possible to show how Maria Monforte and Maria Eduarda were idealized, because stereotyped by the eyes of Pedro da Maia and Carlos da Maia, they were stuck in a cultural way of perceiving the feminine that went from the vision of the "madonna" to that of the "femme fatale".

Discente: Fernanda de Aquino Araújo Monteiro

Título da dissertação: De Maria Monforte a Maria Eduarda: o feminino (re)visto na ficção de Eça de Queirós

Orientador(a): Monica Figueiredo

Ano da defesa: 2018

Páginas: 106

Resumo:

O presente trabalho pretende averiguar de que modo Maria Monforte e Maria Eduarda, de Os Maias (1888), foram mal compreendidas, fundamentalmente, por duas vias: tanto pela crítica queirosiana quanto pelas próprias personagens masculinas que as cercam. Propomos analisar o percurso de duas personagens femininas, por acreditarmos ser possível mostrar o quanto Maria Monforte e Maria Eduarda foram idealizadas, porque estereotipadas, pelo olhar de Pedro da Maia e de Carlos da Maia, presos que estavam culturalmente a uma forma de perceber o feminino que ia da visão da “madona” à da “femme fatale”.

Abstract:

The present work intends to find out how Maria Monforte and Maria Eduarda, from Os Maias (1888), were fundamentally misunderstood, in two ways: both by the Queirosian criticism and by the male characters that surround them. We propose to analyze the course of two female characters, because we believe it is possible to show how Maria Monforte and Maria Eduarda were idealized, because stereotyped by the eyes of Pedro da Maia and Carlos da Maia, they were stuck in a cultural way of perceiving the feminine that went from the vision of the "madonna" to that of the "femme fatale".

Discente: Fernanda de Aquino Araújo Monteiro

Título da dissertação: De Maria Monforte a Maria Eduarda: o feminino (re)visto na ficção de Eça de Queirós

Orientador(a): Monica Figueiredo

Ano da defesa: 2018

Páginas: 106

Resumo:

O presente trabalho pretende averiguar de que modo Maria Monforte e Maria Eduarda, de Os Maias (1888), foram mal compreendidas, fundamentalmente, por duas vias: tanto pela crítica queirosiana quanto pelas próprias personagens masculinas que as cercam. Propomos analisar o percurso de duas personagens femininas, por acreditarmos ser possível mostrar o quanto Maria Monforte e Maria Eduarda foram idealizadas, porque estereotipadas, pelo olhar de Pedro da Maia e de Carlos da Maia, presos que estavam culturalmente a uma forma de perceber o feminino que ia da visão da “madona” à da “femme fatale”.

Abstract:

The present work intends to find out how Maria Monforte and Maria Eduarda, from Os Maias (1888), were fundamentally misunderstood, in two ways: both by the Queirosian criticism and by the male characters that surround them. We propose to analyze the course of two female characters, because we believe it is possible to show how Maria Monforte and Maria Eduarda were idealized, because stereotyped by the eyes of Pedro da Maia and Carlos da Maia, they were stuck in a cultural way of perceiving the feminine that went from the vision of the "madonna" to that of the "femme fatale".

Projetos, Núcleos e Laboratórios (es)

Coordenação (es)

Coordenador: Prof. Dr. Adauri Bastos

Vice-coordenadora: Profa. Dra. Maria Eugenia Lammoglia 

Secretário: Renato Martins e Silva
posvernaculas@letras.ufrj.br

Atendimento (es)

Além de atender por e-mail, a Secretaria do PPGLEV oferece atendimento telefônico e presencial de segunda a quinta-feira, das 13h às 17h, na sala F-319.

Endereço (es)

Programa de Pós-Graduação em Letras  (Letras Vernáculas)
Faculdade de Letras da UFRJ
Av. Horácio de Macedo, 2151
Sala F-319
Cidade Universitária — CEP 21941-917
Rio de Janeiro — RJ